Pular para o conteúdo principal

BRINCADEIRAS DE CRIANÇAS... COMO É BOM!

Trabalhar com as crianças exige compreendê-las. Exige também, reconhecer as suas reais necessidades. Necessidades que são próprias do tempo espaço da infância.

Foto Reprodução/www.mdig.com.br

Quando a criança tem oportunidade de aprender os conhecimentos por meio de situações lúdicas, ela se envolve mais.

O envolvimento com as situações de brincadeiras as instiga compreender melhor as questões de estudos, além de oportunizar a sua inserção nos debates próprios da sua idade.

Foto Reprodução/Childhood Brasil

Considerando tais questões, gostaria de compartilhar algumas situações de brincadeiras que podem ajudar no processo de interação das crianças com os(as) colegas e com as(os) professoras(es).

Gosto muito da ideia de organizar o trabalho pedagógico por meio de temas de estudos, pois assim, as aulas ficam mais instigadoras. As crianças podem contribuir com ideias interessantes e a articulação entre os conhecimentos num processo interdisciplinar também pode acontecer de forma significativa.

Nossa sugestão é organizar um Projeto de Estudos com a temática proposta nesse post Brincadeira de Criança... Como é bom!

Essa temática oportuniza a busca de brincadeiras que as crianças mais gostam, bem como as brincadeiras antigas que a mamãe e/ou o papai brincavam.

Trabalhar com as brincadeiras antigas não significa contrapor aos jogos que as crianças de hoje demonstram preferência, como por exemplo, os jogos eletrônicos. Esses jogos fazem parte do contexto atual e precisam ser considerados no processo de ensino aprendizagem.

No entanto, precisamos apresentar às crianças um pouco da história da humanidade e em especial um pouco da história das crianças e das suas múltiplas infâncias.

É nesse sentido, que as brincadeiras aqui proposta se revelam instigadoras no processo de ensino aprendizagem das crianças, tanto na Educação Infantil quanto no Ciclo de Alfabetização.

Em ambas etapas da Educação Básica as crianças ampliam os conhecimentos sobre si, sobre o mundo e sobre tudo que está ao seu redor por meio das brincadeiras, pois tais etapas fazem parte da infância.

As crianças exploram os modos de brincar de cada jogo e brincadeira, comunicam-se entre si, e com isso, interagem com as múltiplas linguagens, organizam seus pensamentos, descobrem e produzem regras, compreendem os limites de cada situação, tomam decisões e questionam as questões que não agradam.

Considerando tais questões temos como objetivos:

- Instigar a exploração dos diversos modos de brincar com cada brincadeira proposta.
- Promover situações de interação entre as crianças que possibilitem a vivência com as múltiplas linguagens.
-  Desafiar a tomada de decisões, com vistas à organização das ideias (pensamentos).
- Propiciar situações de compreensão das regras do jogos e das brincadeiras.
- Realizar atividades que explorem as descobertas e produções de novas regras.
- Possibilitar a compreensão dos limites postos por cada brincadeira.

Sugestões de Brincadeiras

Cinco Marias

Figura Reprodução/sites.google.com

O jogo Cinco Marias também conhecido como bisca pode ser praticado de diversas maneiras. 

Uma delas é lançar uma pedra para o alto e, antes que ela caia no chão, pegar outra peça. 

Depois tentar pegar duas, três, ou mais, ficando com todas as peças na mão.

Na antiguidade, os reis praticavam com pepitas de ouro, pedras preciosas, marfim ou âmbar. No Brasil, costuma ser jogado com pedrinhas, sementes ou caroços de frutas, ossos ou saquinhos de pano cheios de areia.

Bolinha de Gude

Figura Reprodução/saude.culturamix.com

Bolinhas coloridas e feitas de vidro, são jogadas num circulo feito no chão de terra pelos meninos. 

O objetivo é bater na bolinha do adversário e tirá-la de dentro do círculo para ganhar pontos ou a própria bola do colega.

Estátua

Figura Reprodução/reisludos.com.br

As crianças  formam uma roda e, rodando, cantam a música:

O circo pegou fogo,
palhaço deu sinal,
acuda, acuda, acuda
a bandeira nacional,
Brasil,
2000,
se buliu,
saiu!

Ou então a cantiga
Batatinha frita
Um
Dois
Três

Ao terminar a cantiga cada criança deve escolher uma posição e virar uma estátua.

O mestre, uma criança que fica fora da roda observa cada uma. Vence que se mexer por último.

Ciranda
Figura Reprodução/ housewifeinjapan.blogspot.com

A famosa dança infantil, de roda, conhecida em todo o Brasil, teve origem em Portugal, onde era um bailado de adultos. 

O Semelhante a ela é o fandango, baile rural praticado até meados do século XX no interior do Rio de Janeiro (Parati) e São Paulo, em que homens e mulheres formavam rodas concêntricas, homens por dentro e mulheres por fora. 

Os versos que abrem a ciranda infantil são conhecidíssimos ainda hoje:

Ciranda, cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar 

De resto, há variações regionais que os complementam como 

O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.
 
Cobrinha
Foto Reprodução/Portal do Professor - Mec

Uma criança segura uma das extremidades da corda e começa a fazer movimentos com ela, de modo que os demais participantes ultrapassem a corda sem tocar nela. 

Se não conseguir, é eliminado. 

Quando todos já tiverem passado, deverão passar para o outro lado. A brincadeira continua até chegar a um campeão.

Pular Corda
Figura Reprodução/portaldoprofessor.mec.org.br

Pular corda tem sido uma das brincadeiras preferidas das crianças.

Essa brincadeira possibilita inúmeras possibilidades, dentre as quais podemos citar:

Altura, alturinha: quando duas crianças estendem a corda, iniciando no chão, e subindo aos pouquinhos. Os competidores saltam sobre ela. Quem conseguir pular maior altura é o vencedor.

Chinelinho: nessa possibilidade duas crianças trilham a corda, enquanto dizem a palavra: Chinelinho , destacando as sílabas. 

Relógio: a cordas é trilhada forte e rapidamente. O jogador deve passar correndo por baixo da corda, sem se deixar bater. Em seguida, entra, pula duas vezes e sai; torna a entrar, pular três vezes e sai, assim até completar dez pulos.

Chicote ! Chicotinho! Pimenta! Pimentainha!: Ao bater a corda para os participante pularem o movimento deve ser bem rápido, de maneira que ao obter no solo, a corda estale como um chicote. Se a corda tocar na pessoa ela sai da brincadeira.

Chocolate: a corda deve ser balançada no ar por duas crianças, enquanto cantam pausadamente as sílabas da palavra chocolate. Quem estiver pulando deve repousar o pé no chão no decorrer das três primeiras sílabas (corda no ar) e saltar na última sílaba (te), momento que a corda baterá no chão. Quem não conseguir sai da brincadeira.


Corre cotia

Figura Reprodução/editoradobrasil.com.br

As crianças formam uma roda e sentam no chão, menos uma.

A criança que sobrou corre pelo lado de fora da roda com o lenço na mão, ao ritmo da ciranda que deve ser cantada por todas as crianças.

Corre cotia
Na casa da tia
Corre cipó
Na casa da avó
Lencinho na mão
Caiu no chão
Moça(o) bonita(o) do meu coração
Criança que está fora da roda: Posso jogar?
As crianças sentadas na roda falam: Pode!
Criança que está fora da roda: Ninguém vai olhar?
As Crianças sentadas na roda falam: Não!

Quando termina a ciranda todas que estão sentadas abaixam a cabeça e tapam os olhos com as mãos. A criança que está fora da roda deixa o lencinho cair atrás de alguém. Quando esta perceber, começa o pega-pega entre as duas. Quem está com o lenço é o pegador. A criança perseguida deve sentar no lugar que ficou vazio.

Se a criança for alcançada antes de ocupar o pique sai da brincadeira. Fica dentro da roda. A brincadeira recomeça com quem está com o lenço na mão. Se a criança conseguir sentar a pegadora sai da brincadeira e fica dentro da roda devolvendo o lenço. A brincadeira recomeça com a criança de volta para fora da roda.

A galinha do vizinho

Figura Reprodução/Portal Cultura Alternativa

Essa brincadeira tem os mesmos procedimentos da corre cotia. O que muda é a música.

A galinha do vizinho
Bota ovo amarelinho
Bota um
Bota dois
Bota três
Bota quatro
Bota cinco
Bota seis
Bota sete
Bota oito
Bota nove
Bota dez

Nesse momento a criança que está com o objeto (faz de conta que é um ovo) na mão fora da roda coloca-o delicadamente atrás de alguém e sai correndo para não ser pega. 

Se for pega vai para o centro da roda e paga uma prenda, podendo continuar sentada na roda para continuar brincando. 

Se não for pega a brincadeira continua.

Dança da cadeira

Figura Reprodução/casinhadacys.com

As cadeiras devem ficar em círculo. Uma cadeira a menos que a quantidade de participantes. 

Uma criança deve coordenar a brincadeira. Quando ela disser já... todos devem correr em volta do círculo de cadeiras. Assim que abaixar a música todos devem tentar sentar em cadeira.

Quem ficar sem lugar sai da brincadeira.

Assim, as cadeiras vão sendo retiradas e o grupo vai diminuindo. Será o vencedor aquele que conseguir sentar na cadeira no último comando. 

Escravos de Jó

Figura Reprodução/meucataventocolorido.com.br

Escravos de Jó Jogavam Caximbó. Tira, bota. Deixa o Zé Pereira Que se vá. Guerreiros com guerreiros Fazem zigue – zigue zá...

Sentadas ao redor de uma mesa, as crianças s brincam com uma pedrinha ou caixinha de fósforo. 

Enquanto cantam a música marcando os tempos fortes passam o objeto de uma para outra, no sentido dos ponteiros do relógio.

Na parte onde dizem zique – zá o objeto é passado na direção contrária, retornando-se, logo a seguir, à primeira direção contrária, retornando-se, logo a seguir, à primeira direção. Quem erra sai da brincadeira. Os últimos dois serão os vencedores.

Está quente, está frio

Figura Reprodução/bloguito.com.br

Um participante esconde um objeto, enquanto os outros fecham os olhos. 

À voz de pronto, as crianças saem a procurar. 

O que escondeu o objeto vai alertando, conforme a distância que estiverem do esconderijo: Está quente (quanto próximo), Está frio, (quando distanciado), Está queimado (quando bem perto). 

Quem encontrar o objeto será o encarregado de escondê-lo na repetição da brincadeira. 

Telefone sem Fio

Figura Reprodução/situando.net

Todos se sentam em um círculo ou em fila, uma ao lado da outra.

A brincadeira começa com uma das crianças dizendo alguma coisa no ouvido da que estiver ao seu lado. As demais crianças não podem ouvir.

A criança que ouviu repete a frase, para a próxima e assim sucessivamente até a última criança.
Quando chegar na última, esta deverá falar a frase em voz alta.

Raramente ela será a mesma dita pela primeira pessoa da roda, o que garante a diversão do jogo.

Dicas: com crianças mais novas, em vez de frases diga apenas uma palavra por vez. A brincadeira também pode ajudar a fixar temas abordados em sala de aula se as frases repassadas forem relacionadas ao assunto. 

Pula Elástico


Figura Reprodução/malasemalinhas.com.br

Duas crianças ficam em pé, frente a frente, e colocam o elástico em volta dos tornozelos, formando um retângulo. 

Uma terceira criança começa a pular, fazendo uma sequência de saltos, ora pulando para dentro, sobre e para fora do elástico. 

A criança que pula deve alternar os pulos para o lado de dentro, fora e sobre o elástico sem enroscar os pés.

Quando terminar a sequência, o elástico sobe um nível e vai para a altura dos joelhos, depois para as coxas e quadris.

As coreografias dos pulos variam tanto quanto a criatividade e a energia dos participantes permitirem.

Quando errar a sequência dos movimentos ou tropeçar, passa a vez.

Jogar Peteca

Figura Reprodução/greenme.com.br

No começo do jogo, os jogadores ficam em um círculo – ou de frente um para o outro, se forem apenas dois.

Um jogador sorteado inicia impulsionando a peteca para o alto, numa manobra semelhante ao saque usado no vôlei: ele segura a peteca com uma das mãos e com a outra dá um tapa, de baixo para cima.

Todos os jogadores precisam manter a peteca no ar dando-lhe tapas, para impedi-la de chegar ao chão.

Quem apanhar a peteca ou deixá-la cair sai do jogo. Ou, em vez de ser eliminado, pode perder um ponto; isso deve ser decidido antes do jogo.

Numa outra versão, um dos jogadores fica no meio do círculo e precisa rebater a peteca para os colegas, valendo as mesmas regras da versão anterior.

Cabo de Guerra
 
Foto Reprodução/Museu Grandes Novidades


Dividir as crianças em duas equipes, de modo que cada equipe tenha o mesmo número de participantes a mesma força.

Marcar o centro da corda com um lenço e no chão com um giz.

A corda deve ter um comprimento grande e deixar um espaço de 1,5 m no meio. 

Ao sinal de quem estiver coordenando a brincadeira pode começar. Cada equipe deve puxar a corda.

A primeira equipe que conseguir puxar pelo menos um dos adversários para frente da linha central vence a brincadeira.

Corrida no Saco

Foto Reprodução/Portal do Professor - MEC

Para a realização dessa brincadeira é necessário providenciar alguns sacos: podem ser de estopa ou de pano de chão que ainda não foi usado.

A quantidade vai depender do modo como a brincadeira vai acontecer, tendo em vista que ela pode acontecer individualmente, em duplas ou com mais quantidades de crianças.

Para iniciar a brincadeira as crianças devem se posicionar na linha de largada, com os dois pés dentro do saco.

Ao sinal dado devem pular até a linha de chegada.

A brincadeira também pode acontecer com um saco e duas crianças.

Cada uma coloca um pé dentro do saco e as duas correm com o pé livre.



Questões para pensar!

Com base nos objetivos destacados anteriormente:

- Procure explorar as brincadeiras propostas de outros modos... Invente outras possibilidades de brincar com cada uma.

- Observe como as crianças interagem entre si no decorrer das brincadeiras e de que modo vivenciam as múltiplas linguagens.

-  Analise as tomadas de decisões de cada criança, como estão organizando as ideias e como argumentam suas opiniões.

- Reflita sobre os modos de interlocução das crianças com as regras de cada brincadeira.

- Registre com as crianças as novas regras produzidas no decorrer das brincadeiras.

Por Ana Maria Louzada

Você também pode gostar de:


ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

 

PROJETOS DE ESTUDOS: Implicações no Processo de Constituição da Consciência Crítica

 

 

http://amlouzada10.wixsite.com/palestrante/copia-formacao-continuada
Programa de Formação Continuada

 

http://amlouzadatemasdepalestras.blogspot.com.br/search/label/SEQUENCIA%20DID%C3%81TICA
Temas de Palestras

_______________
Referência
https://brasileirinhos.wordpress.com/brincadeiras
http://delas.ig.com.br
http://www.fazfacil.com.br 
http://www.anos80.net
http://delas.ig.com.br
https://br.guiainfantil.com
http://www.klickeducacao.com.br

Postagens mais visitadas

DETALHANDO A SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Este artigo faz parte das reflexões sobre a concepção de Projeto de Estudos, Sequência Didática e Atividades que constam nos artigos que publicamos anteriormentenesse blog.

- Projeto de Estudos: Implicações no Processo de Constituição da ConsciênciaCrítica;
- A Sequência Didática como parte do Projeto de Estudos
- Atividades Significativas: Possibilidades de Experiências Concretas e Reais.

 Sugerimos a leitura dos referidos artigos antes de refletir sobre as questões que apresentamos a seguir.

SITUAÇÃO DE ENSINO APRENDIZAGEM
Ana Maria Louzada
Para que possamos compreender o que significa Situação de Ensino Aprendizagem (SEA), necessário se faz retomarmos e destacarmos o conceito de projeto de estudos, atividade e sequência didática.

Nesse sentido, o projeto de estudos seria a organização macro de uma temática de estudos num processo de interlocução com/entre diferentes áreas do saber. Com base nos objetivos e metas de um projeto de estudos destacam-se as atividades a serem implementadas e que…

A SEQUÊNCIA DIDÁTICA COMO PARTE DO PROJETO DE ESTUDOS

Este artigo é uma continuidade das questões apresentadas em "Projeto de Estudos: Implicações no processo de constituição da consciência crítica".

Refletindo sobre Sequência Didática
Ana Maria Louzada
Na tentativa de demarcar uma nova proposta de organização do trabalho pedagógico, bem como de romper com as proposições ora intituladas de projetos de trabalho e/ou pedagogia de projetos, alguns teóricos vêm indicando a sequência didática, como forma de organização do trabalho a ser realizado no lócus da escola. Nesse sentido concebem o projeto e a sequência didática como propostas diferentes.

Observamos também, proposições de organização do trabalho pedagógico por meio de projetos como sinônimo de sequência didática. Assim, temos nos deparado com propostas ora intituladas de sequência didática, ora de projeto didático, e, ainda em determinadas situações de atividades.

Percebemos ainda, que dependendo das questões abordadas, o foco está na técnica realizada, no passo a passo da sequê…

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: Questões para Pensar!

Nesse post destacamos algumas reflexões sobre a Qualidade da Educação Básica.

Esse é um tema que precisa ser discutido e debatido exaustivamente no lócus das secretarias de educação, das escolas/sala de aula e das comunidades, tendo em vista a importância da participação de todos e todas na garantia da qualidade que tanto almejamos.

Sabemos dos desafios postos pelas Políticas Educacionais, mas entendemos que o contexto em que vivemos exige tomadas de decisões que levem em consideração a formação das crianças, dos adolescentes e jovens do nosso país. 
Clique Aqui para baixar em PDF
Clique Aqui para ver em Slideshare

PROJETOS DE ESTUDOS: Implicações no Processo de Constituição da Consciência Crítica

Ana Maria Louzada
A proposta de organização do trabalho pedagógico por meio de Projetos de Estudos tem como premissa básica a constituição de sujeitos com consciência crítica. Se constituir com consciência crítica, é a meta principal. Para tanto, necessário se faz romper com as práticas pedagógicas que insistem em considerar a criança um ser inacabado; ou um ser que se basta no processo de aprendizagem e desenvolvimento, e, ainda, não dá para continuarmos com práticas em que as crianças são vistas como meras executoras.

O Projeto de Estudo, como o próprio nome já diz, precisa ser planejado, sonhado, registrado e sistematizado de forma compartilhada. E em se tratando de projetos para estudos, implica em ser detalhado no sentido de garantir às crianças/estudantes, a produção, a apropriação e a objetivação dos conhecimentos, num processo de interlocução entre o conhecimento cotidiano e o conhecimento científico.

Isso significa dizer, que o seu detalhamento exige uma organização didática, na…